Ao investir perto, sua empresa vai longe.

10 de fevereiro de 2020

Estreitar relações com a comunidade local é valorizar sua marca além do seu mercado.

Indiferente do negócio (tradicional ou online) as empresas e seus empresários atuam na sociedade, e se encontram em um determinado lugar. Manter relacionamentos saudáveis com o mercado onde atua é fundamental para o sucesso, mas promover ações nos locais onde estão são essenciais para a sustentabilidade de qualquer empreendimento. Relacionar-se com a comunidade local promove o diálogo, o respeito com a história e com a cultura local, o cooperativismo e o sentimento de pertencimento – pilares que promovem a identidade do negócio e garantem a transparência – questões cruciais do posicionamento de marca, essência norteadora dos relacionamentos empresariais de sucesso.

O passo inicial, caro leitor é se dar conta do lugar onde sua empresa está! Se encontrar geograficamente no mapa. Por mais que o seu mercado seja sem limite geográfico, assumir um posicionamento local pode oportunizar forças tectônicas promotoras de valores concretos. Localmente somos capazes de promover ações tangíveis de impactos ambientais, sociais e econômicos gerados pelas nossas atividades. Uma vez assumido o posicionamento frente ao local é importante a interação com seu ecossistema. Nesta demanda, precisamos corrigir a miopia que nos leva a olhar o nosso entorno de forma equivocada: Normalmente buscamos nos relacionar com lideranças locais e stakeholders na busca de definição de pontos de referência e de orientação na gestão do nosso negócio. Míopes, deixamos de ver e dar importância ao que nos circula de fato, o que têm e o que acontece cotidianamente em nossa vizinhança. Dos pequenos negócios aos moradores locais, precisamos buscar ter respostas concretas para questionamentos como: Quem são meus vizinhos? Qual é o cotidiano da minha comunidade? Quais são as condicionantes que operam no lugar onde estou?

Não há receita melhor para buscar estas respostas do que assumir alguns objetivos que devem ocupar lugar de destaque no plano de ação de seu negócio. Relato que estes pontos estão nas estratégias de pesquisa em áreas como antropologia, mercadologia e são objetivos contemporâneos do Sistema de Informação de Marketing – SIM. Estes objetivos são:
Observar, Coletar, Organizar e Utilizar as informações e os dados declarados no seu entorno.
Observar: é preciso assumir a postura de periodicamente caminhar pelo seu entorno – isso pode ser uma caminhada na sua rua, uma volta na quadra, um passeio pelo bairro; com estes objetivos em mente, terá um panorama do Sistema de Informação que te rodeia. Mas entenda que este sistema vai ganhando força com a repetição desta postura, valendo o uso de algumas ferramentas. Nas primeiras voltas a observação pode levar a uma construção visual que pode resultar em painéis semânticos (conhecidos como Moodboard) das marcas, serviços, tipos de construção, perfil de habitantes que você vem observando.
Coleta: este segundo objetivo pode ser feito de maneira mais intencional, e vai acontecendo com naturalidade, pois a medida que você vai caminhando pelo bairro as pessoas vão se familiarizando com você e você com elas; e isso permite que tenhas diálogos, conversas com estas pessoas. Sabendo fazer as perguntas certas é possível ter acesso a informações valiosas sobre a região. Uma estratégia interessante para formular perguntas certas é buscar construir um SWOT do bairro; questões que te levem a acessar as forças e fraquezas, as oportunidades e ameaças do local podem ajudar a ter um entendimento mais estruturado do seu entorno.
Organizar: as respostas dos vizinhos podem ser organizadas como palavras-chave e aí o uso de softwares de construção de painel de palavras/nuvens de palavras pode ajudar a visualizar a tendência SWOT local. Perceba que com um “painel semântico” e um “painel de palavras” do bairro você terá um cenário que permite ser considerado na gestão estratégica, tática e operacional de seu negócio.
Agora com o seu local “observado”, “coletado” e “organizado” há a necessidade de ser “utilizado”.
Utilizar: nesta etapa você pode por e prática todo o seu conhecimento organizado como por exemplo:
1. entender de forma mais claro os clientes que passam pela sua porta, e que, muitas vezes não sabem o que você vem ofertando e quais seriam as necessidades que seu negócio poderia atender. Muitos são os casos de moradores de um bairro que cruzam a cidade para consumir um determinado serviço, pois não conhecem que este mesmo serviço é ofertado a metros de sua residência. Estar próximo é um diferencial competitivo em cidades onde a mobilidade urbana é caótica!
2. criar possibilidades de parceria B2B. Ao aproximar o seu negócio dos outros negócios podem conseguir fazer uma troca de serviços, ou até mesmo criar situações onde o consumidor final ganhe se passar a comprar na sua região.

Ao monitorar seu mercado local, você saberá o que os outros negócios vêm fazendo – inclusive os que concorrem com você; detectará as forças e fraquezas, as potencialidades e ameaças do seu mercado local; conseguirá ser piloto na visualização de soluções para sua praça – agregando valor ao seu negócio; poderá pensar em novas formas e funções no seu negócio; e conseguirá entender as tendências locais.

Gerenciando informações neste nível você conseguirá planejar o que está por vir. Conseguindo antecipar demandas ainda adormecidas em seu cliente.

Estreitar relações com a comunidade local é valorizar sua marca além do seu mercado.

Compartilhe:

Outros Posts

Ao investir perto, sua empresa vai longe.

Saiba Mais
História da Ponte Hercílio Luz

29 de dezembro de 2019

Saiba Mais